Galeria

PRODUTIVIDADE E HETEROGENEIDADE NA ESTRUTURA PRODUTIVA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO NO BRASIL

por: Edileuza Vital GALEANO e Amilcar José CARVALHO

Em um artigo publicado no periódico da Universidade Federal de Santa Catarina, o Consultor do Tesouro Estadual Amilcar José Carvalho (Mestre em Economia pela Universidade Federal da Bahia) e sua esposa, a Doutora em Economia pela Universidade Federal Fluminense, Edileuza Vital Galeano apresentaram um panorama da produtividade média do trabalho na indústria de transformação com ênfase na heterogeneidade estrutural e traz algumas discussões sobre o desempenho da produtividade e sua relação com o processo de desindustrialização ocorrida nas últimas décadas.

O artigo comprova que conhecer os setores de atividade industrial, sua evolução e as especificidades da heterogeneidade na estrutura produtiva é importante para nortear a elaboração de políticas públicas em termos de investimentos em infraestrutura, tecnologia e capital humano, aproveitando seu potencial econômico, elevando o valor agregado da sua produção e para ampliar sua participação da indústria no PIB, bem como para traçar estratégias para uma melhor inserção da indústria internacionalmente.

Igualmente, considerando as divergentes opiniões sobre a importância de “re-industrializar” o país, o artigo contribui para o debate atual sobre a heterogeneidade na estrutura produtiva brasileira e sobre a redução da participação da indústria de transformação na economia brasileira, trazendo argumentos tanto da corrente estruturalistadesenvolvimentista bem como da corrente liberal, a qual aponta para a necessidade de maior inserção da indústria brasileira nas cadeias globais de valor.

No Brasil a estrutura produtiva evidencia níveis de produtividade média do trabalho bastante heterogêneas e com indicativos de piora entre os anos avaliados.

As estatísticas de dispersão apresentadas indicam que houve elevação da heterogeneidade do crescimento da produtividade entre os setores de 2007 para 2015.

A partir dos dados apresentados, conclui-se que houve aumento na heterogeneidade estrutural e que as indústrias extrativas, ligadas a recursos naturais, foram as que mais contribuíram para o aumento da heterogeneidade estrutural.

 

O artigo completo você lê em:

https://periodicos.ufsc.br/index.php/economia ou em

https://periodicos.ufsc.br/index.php/economia/article/view/2175-8085.2019.e57153